sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Rapsódia poética







Ao jorrar o sangue
vindo de reentrâncias 
compondo na dor e na alegria

esconderijos são abertos
à sorte de um mundo sozinho

seguimos:

relendo a sintaxe da vida
na fala entrecortada
na acidez interior
cuspindo a própria sede
de promessas alinhavadas

- tênue estrada
feita de um deserto interno
sem oásis de ternuras

caminhantes em próprias pernas
sonhos, ilusões e bravuras

amores já condenados
caminham no próprio espinho
âmago em desalinho

novo cordão ofertado
sonhos então consagrados
reviram a vida do avesso

fragmentos reversos
também alimentam a alma


 



Adriane Lima





Arte by Giuseppe Ferrando 

2 comentários:

  1. Obrigada Antonio,fico feliz com sua presença e comentários em minhas poesias!!!
    Feliz 2013!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...