sábado, 30 de junho de 2012

Instante de amor


Para o amor
me fiz de surda e louca
sem entender os recados
sem saber se era pecado
olhar e vê-lo no reflexo
da lua em um lago


ao ver-me narciso
sei que me engrandeceria
e redondamente me enganaria
em reverso de quarto crescente


o amor misturou a gente...

errei o centro, a margem
vivi uma abstinência covarde
por não entender de paixões

fui arrebatada por miragens
de minhas próprias visões


é bem verdade
quando o amor nos arrebata

voamos em uma nau insensata
seguindo viagem
desejando somente ir em frente


eu não disse: o amor misturou a gente

então, escrevo
para dar vazão

ao branco do papel
eu fico olhando para você
me esqueço dos sentimentos do mundo
e desejo ser benevolente
entendendo que o mundo girando
se perdendo e se achando
pode então unir a gente
 
Adriane Lima
 
 
 
 
Arte by Alex Kristovv 

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Sentidos desordenados



Quando ouço tua voz
as palavras são mestras
mesmo que chova no molhado
vou dançando nessa festa

quando falas
abrem-se todas minhas frestas
e o que era disforme
vai se moldando ao tom

nuances de uma reza
mantra solto no ar

Não existem notas
não existe nada
nem mesmo sei
o ritmo que
nos embala

música feita de verdade nua
a aquecer minh'alma
que jaz tão tua

e o som ecoa
e o som me aquece
e tua voz vai sumindo e voltando
interna e ternamente

os limites do sombrio
que rondavam meus porões
provocando clarões viram
luzes esparsas  no ar

nada em nós tem lógica
nada a aplaudir o impossível
melodia nem faz falta
mas, é a voz , o invasivo
que ecoa em meu lado poético

é o que me protege
das horas de dor
é a medida pulsante
desse afeto distante
que faz eco em nossas vontades

tua voz é música
pendurada em estrelas
pautando o infinito
que aprendi a decifrar

 
 
 
Adriane Lima
  
 
Arte by   Stanislavas Sugintas 

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Florir na carne



Se a alma é o sagrado
se o corpo é o pecado

amar de corpo e alma
é dual ou contraditório ?

vida vestida
de castidade
cena improvável

amor necessita de corpo
corpo necessita de carne

seguir a natureza
do divino
não pode ser profano

somos mais do que meninos
e muito menos que arcanos

amor é o caminho
paixão é o terreno

que unidos
incendeiam até o osso...

 
 
Adriane Lima
 
( imagem retirada da net ) 

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Represa de palavras


 
Poema na carne
é o que te dou  
onde jogo
sons e gestos 
e oferto-te
todo o orgasmo
que em mim
nunca provastes 
sabor de soro
diante o medo
que paralisa o ar 
nossos segredos
esfacelados
caem ao chão
feito inexplicáveis
sobreviventes 
Eva em noite
de lua crescente 
sabe que amar
nunca é pecado

 
 
 
 
Adriane Lima



( Imagem retirada da net )

Véspera de quê?



Vê se espera
a tua fera acordar
Vê se espera
o teu medo partir

Vê se espera
a tua força nascer
Vê se espera
o teu amor florescer

Véspera de quê?
de nada,de tudo

emboscada,seda,veludo
fisgada em boca de leão

alvo solto,
bala,flecha,alçapão

Amor ,fez armadilha
cevou a água
selou a carta
fechou a cova

Véspera do dia "D"
anuncia : fêmea no cio ...

 
 
 
Adriane  Lima
 
 
 
 
( Imagem retirada da net )

Tripas Sentimentais




Meu acreditar é interno
mais que imagino
ondulantes presságios
me revisitam

e você me mata diariamente

e minha alegria inocente
sempre é a vítima
que sangra mais

jogos de poder e palavras
onde procuro ver do
que uma mente é capaz

não há enxague bucal
para tua boca de lobo

me adjetivo de forças
transito entre dois mundos

fardo que cuspo
a contragosto

em ti implanto dentes
de minha dor carnívora

você que estraçalhou
meus melhores sonhos
embaçando a visão
de um futuro

meio lunático
meio profético

e assim transparente fico

in vitro
faço uma fertilização

com os sulcos
que o tempo marcou
e minhas lágrimas molharam
planto flores e remorsos

dou vida ao que restou
e nesta terra de ninguém

admiro o animal
que come o filho
por medo do predador

vida sufocada
ferida na própria carne

ossos, ofício
dom de cada um
ou o que inexiste
ou é inusitado

algo indócil no ar
garganta aberta
feito porta
para esperança entrar


Adriane Lima
 
Arte by  Soledad Fernández 

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Acordes em marés....



Acordes !

impulsos de palavras visionárias
que sempre chegam antes de mim

total junção de acordes

em pentagramas equidistantes

Acordes!


louca sede de mãos

que dedilham um violão
forma esculpida de um corpo de mulher
fingindo ser madeira, poeira
levada pelo tempo em marés


E nesse acesso de intermédio

soprano assalto
entre teus lábios carnudos

emudeço


sou notas perdidas de um velho diário

onde um dia desenhei claves de fá e sol ...
e fui alimentando minha sonoridade até te achar

bendigo a mão direita que te dedilha o corpo

e não menos a esquerda que tão lindamente
transforma em melodias dissonantes acordes tão comuns

acordes!


o sustenido vento que toca a tua pele nua

é o exato instante em que meu desejo te faz soar
em delirantes harmonias de enlevo e prazer

acordes!


são eles que me introduzem em ti

em uma viagem de sintonia pura
entre a carne e o espírito

acordes!


abre seus olhos no momento final

que nada mais é do que o recomeço
de um amor que jamais terá fim

acordes !


o amor soa mais alto

ao coração de quem não nega
sua própria visão ao infinito

e ser infinito

é viver em harmonia
no coração que bate em teu peito
sem jamais desafinar minha alegria

infinito

é ser
em ti

Sem partituras...
 
Adriane Lima e Orlando Bona Filho 
 
( Imagem :  Dragan Ilic di Vogo )



Vestígios do descobrimento



Em ti eu aconteço
anoiteço
amanheço

olhamos o mundo
por etapas

ponto por ponto
linha por linha

nossos retalhos
histórias passadas

dobradas na gaveta
enferrujada

memória lacrada
não há mais nada

no hemisfério esquerdo
emudeço

e em teu braços
enlouqueço

embora solta
sem sintaxe

com você
me completo

abstração num universo
onde me ilumino

corpo,alma
e intelecto

me recheio
em verso liquido

sem holofotes
e sem censura

o amor nos
transfigura

 
 
 
Adriane Lima

 
 
 
Arte by Maria Amaral 

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Poema para minha dupla persona



Sou o sonho do teu lado mais escuro
e o temor do teu lado mais seguro
sou o inocente do teu lado mais culpado
e o pecado do teu lado mais ardente
sou o empregado de teu lado colonizado
e o vagabundo do teu lado mais profundo
sou o paraíso do teu lado mais serpente
e o soldado do teu lado mais malvado
sou o profano do teu lado mais secreto
e o santo de teu lado mais mundano
sou primavera do teu lado mais florido
e a folha velha de teu lado mais outono
sou viajante do teu lado bandoleiro
e o teu porto de teu lado mais caseiro
sou o que busca o teu lado que assusta
e a proteção do teu lado que bambeia
sou o que vestes o teu lado mais despido
e a nudez de teu olhar mais descansado
sou o silêncio do teu lado onde há grito
e a voz que desafina o teu lado de menina
sou o homem sério que desvenda o teu mistério
e o lado negro que assola teu branco espírito
sou o de sempre o de agora e o infinito
o que mente, que inventa, que ignora
que te faz brindes e te serve de memória

sou o que verdadeiramente conhece tua história
e sem segredos abre a caixa de Pandora...

 
 
 
 
 
Adriane  Lima
 
 
Arte by Gerard Daran 

terça-feira, 19 de junho de 2012

Pétalas que viraram estrelas





A mulher andava agora
se despindo em verdades
desvendando mistérios
protegendo-se das maldades


era preciso deixar-se partir
e celebrar despedidas em seu destino
por para fora os desatinos
feitos talvez de enganos


como margaridas em suas mãos
arrancando pétalas, uma a uma
assim fazer com as dores


os amores, arrancando-os com delicadeza
para o sentimento eternizar
e deles surgirem estrelas


o perfume angelical permanecerá
intacto em suas lembranças
é certo que não é fácil evitar:


um homem que tem olhos de criança

 





Adriane Lima









 


Arte by Marie Alyne Thomas

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Poema para ( a) cordar o tempo



Não é fácil sentir-se leve
o peso dos pés estagnados
no cotidiano
não é prêmio algum
é prisão celeste

Voos surreais
pousados em parabólicas
avistadas ao longe

Calmaria de um silêncio
enlouquecedor
que me afina a visão
e me enche de metáforas
e medos

Desejo que as horas
tenham asas de cera
e se derretam com
delicadeza e poesia

o gosto do café
já perdeu o sabor
é tudo tão
soluvelmente cotidiano
que me dissolvo
entre coisas
inanimadas

cores buscam novas nuances
e, não é fácil
acreditar em sonhos
que durem mais que um espaço
entre meu desejo e meu retrato

é tudo estático
perdi tantos pedaços
ao longo de um caminho

busco o brilho de um verniz grudento
que cole minhas verdades
e dê forma concreta
a minha pulsão de vida
que adormece há tempos
na mais alta abstração

Adriane  Lima
 
Imagem: Mark Spain 

sábado, 16 de junho de 2012

Escalas

 
 
 
 
Entre tons dissonantes
e pentagramas do avesso
desafinadas vozes
ressoam entre
um sí e um lá 
me dispo
sou toda acordes ...
 
Adri Lima 
 
 
( Imagem : Mark Arian )

Canção para ninar o medo

Pedi a você uma melodia
que acalmasse meu dia
Já é tarde,isso você
não pode resolver

 
Solidão me invade
estou cansada
desanimada dessa vida


Estou aqui
olhando meu umbigo
procurando abrigo
tentando esquecer
fingindo não saber
a dura realidade
as brigas com a idade
o quanto aumentei meu muro
por proteção particular
 
me retraio em um esforço
para entender o que me dói
olho a casa vazia 
o cão dormindo no sofá 
em um silêncio infinito
onde tudo que ouço
tud
o o que sinto
 


vai me fechando em labirintos
escondo - me... das horas  
e escrevo poemas de amor
mudando o nome de minha dor

 

 para entrega "fast food" de saudade





 
Adriane Lima




 
 
Arte by Michael and Inessa Garmashe

Ambígua





A lua tem fases
as admiro todas
eu na metade
já sou sombra










Adriane Lima

Mea Culpa





Dragão colorido
por uns tão temido
retrós linear
caído ao chão
 

Amor de mil cores

palavras de peso
jogadas a esmo
extrema unção

justiça de uns
temores de outros
proteção

sal grosso
pedra imantada
arruda, alecrim

Fitas coloridas no braço
Senhor do Bonfim

poema que se começa
e não encontra um fim

Amor de mil flores

Dragão colorido
palavras em linha reta
pedem a seta
para mudar de direção

Sem muitas teorias
resta apenas a poesia
emoldurar alegria
e acalentar a solidão

Dragão colorido é
o peso desmedido do amor
que me ofertavas e eu dormia

 





Adriane Lima









Arte by  Dragan Ilic di Vogo 

Passione




Como se fosse pecado
ter olhos de Capitu
mãos que dão o recado
não necessitam ofertar flores

Adri Lima


( Imagem :Mark Arian ) 

Deserto a céu aberto



Não há padres para me confessar
nem santos para me proteger
basta você enxergar
o que meus olhos
aprenderam a dizer

meus olhos
um dia mareados
julgados por tanto dizer

hoje enviam recados
a quem possa querê-los, ler

o que são meus olhos diante do deserto?
o que são meu olhos diante de um mar aberto?

conchas de imensidão
nasceram em ambos lugares

meu olhos e teus olhares

se secos e vidrados
são traços delineados
só convergem a você

se isso é pecado
me movo a esse prazer

estátua de sal não fico
e para frente me fixo

tudo em nós faz sentido
pele,alma,olhos e ouvido

comandados pelo meu ser

acordei assim:
com Versos no olhar

 


Adriane Lima




Arte by Dragon illi di Vogo 

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Poema rubro

 
Nunca me deram mapas
muitas rotas eu tracei
me encontrando,me perdendo
na espremida romã do viver ...

Adri Lima
 
 
( Imagem :Atsushi Suwa )

Exército da salvação

 
 
Senti minhas costas frias
frias,imensamente
queria ter atrás de mim
um tenente...
costas largas e quentes ...


AdriLima
 
( Imagem : Victor Bauer )

Suspeita

 
Algo dentro de mim acorda
algo dentro de você dorme
e entre nós as horas
se tornam insones ...

Adri Lima

Direções ...

 
 
Vejo-te em asas de passarinho
olhos longinquos, fora do ninho
nas mãos uma bússola
apontando para meus pontos cardeais...

Adri Lima
 
( Imagem : Alberto Pancorbo )

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Entrelaçados



Amar,amar assim
como dizem
conduzidos pela alma
em plena anarquia
do corpo

sonhos sem respostas
armadilhas de palavras
tropeços de amor

Amor é assim ??
desejos de menina
feito de imagens projetadas
de seu imaginado romantismo

Amor assim nem é preciso
ser anunciado
amor assim não bate a porta
não manda recados

Não há principes
nem sapos
há o sonho
a verdade estampada

nem foice
nem flores

Há a explosão
onde tudo estremece
onde tudo perturba

e nessa hora é preciso
sair para fora de si mesmo

e ver se entendeu
o que aconteceu

amor não é jogo
é fogo interno
de corpo e alma
é profusão de nós

desate-os....
co(n)sentimento

 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
Imagem retirada da internet 
 
 

terça-feira, 12 de junho de 2012

Amor é dor delicada



O que é falar de amor para um poeta
falar de enamorados
falar de um junho cheio de vitrines
repletas de corações
enfeitados

Não se pode ter mãos vazias
Não se deve estar em dores
para falar de amores
é preciso estar inteiro

"O amor é grande
e cabe na janela
sobre o mar
um breve ou longo
espaço de beijar "

Palavras
de um grande poeta

E o poeta
é o verdadeiro
icone desse sentimento
como se em sua alma
só brotassem flores

E para viver de amor
então...
è preciso ressaltar
que não suporta a solidão
nem que ela é essencial
mesmo que
temporariamente

Não...

Poetas não devem ter em mente
o objetivo de estarem a sós
não devem consultar oráculos
não devem inspirar-se
em palavras que não tenham
portas para o amor

E muito menos adoecerem
daquele orgão, o tal: coração
o dono absoluto
da mais nobre dimensão

o amor...

Mesmo que ele more
nos olhos,ou nas mãos

No poeta é ele o corpo
muitas vezes a própria
morte e absolvição...
 
Adriane  Lima
 
( Imagem : Victor Bauer )

Me digas...

 
 
O que ela seria?
inacabadas reticências
um ponto de exclamação
uma curva aberta
um muro fechado
uma rua contínua
uma incógnita
um estereótipo
algo de mundano
algo de imaginário
cobaia de amor profano
ou seria apenas continuação
perdição sem encaixes
paralelepípedos sem arestas
enterros,aterros,festas
início,meio ou fim
labirinto de si
nuances,toques
solenidades
inquietação,lirismo
amorosidade
pura contradição
 
O QUE TU ÉS?
Mulher,assim tu és!

 
 
 
Adriane Lima
 
 
Arte by Fabian Perez 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...