quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Onde olhos habitam asas



Embriago-me do temporal
do dia de sol, em meu quintal
embriago-me lendo Vinícius,
ou assistindo um filme 

que me faça chorar

Embriago-me ao pensar na ciência,
na evolução do homem e sua fé
quando leio conceitos verdadeiros
e sentimentos sem manipulação

Embriago-me na ternura de meus gatos
e na sordidez humana que vejo
quando ouço mentiras e apelos
com sua psicopatia tão bem estruturada

Embriago-me por todo olhar infantil,
sem maquiagem ou coisa que valha
através de minhas dores ou universais
vindas da miséria ou pura ganância

Embriago-me do mais puro vinho
dos deuses esquecidos,
pela profanação e calúnia desde que,
o mundo é mundo

Embriagando-me e vejo a vida
com olhos de quem usa a espreita
para sobrevoar acima dos abutres








Adriane Lima





Arte by Marina Podgaevskaja

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Água viva



Cansa-me fingir figurante
nessa história toda, onde
sei, que sou a protagonista
mudo o enredo, saio de cena
faço tipo quando quero


Tão ingênuo quem acha
o contrário 

pelo simples fato
de pagar caro
e de otário




Adriane Lima




Arte by Gustavo Fernandez

Sobre aforismos




Quando o que sei
esbarra no que finjo que não sei
abro o sorriso mais escancarado que posso

é de lei fazer cara de paisagem
pra os que ainda abstraem
o que já sei concreto






Adriane Lima






Arte by Michael Cheval
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...