domingo, 18 de setembro de 2016

Flores desconexas


Aos poucos
fui reconhecendo a flor que 
te emprestou o cheiro

penso em fechar os olhos
e te tocar por inteiro
das pontas dos dedos aos teus pelos

para depois escrever
um poema de amor
simples e verdadeiro

e não entender 
que é amor
toda essa paisagem



Adriane Lima





Arte by Ominink Jaslinski


sábado, 17 de setembro de 2016

Horas de uma vida


Me pergunto porque guardei
aquele velho vídeo cassete 
com seus filmes antigos
aquela imensa Tv de tubo 
que já não funcionava mais
aquele cobertor de minha avó, tão encardido
aquela vitrola que não tem agulha 
e meus discos preferidos
aquele velho balde cheio de rolhas 
dos vinhos bebidos
aquela blusa com seu perfume já esquecido
aquela estante cheia de livros infantis
aquele quadro que fazia parte da mobília
aquela velha mesa de família dos almoços 
cheios de risos
aquela flor de plástico coberta 
com a poeira do tempo
aquele bicho de pelúcia já costurado
aquela armação de óculos enferrujada
aquela jaqueta de couro embolorada
aquele jogo de cristal, mais frágil que minhas lembranças
Aquela vontade de acreditar que sempre guardarei a minha, a sua e as nossas esperanças
Tudo tão nostálgico e cheio de uma vida inteira
Um passado que está vivo em mim, mesmo que eu não queira.
São tempos líquidos, me dirão, onde não se retém nada, nem amor, nem solidão, nem pistas do que fomos.
Tudo escorre, tudo morre nos rostos dos retratos.
Nada é exato.
Nas areias de minha casa residem histórias, cacos tão meus, tão vãos.
Quem construiu aquela teia que não estava ali ontem, nem anteontem que no presente acabei de desconstruir.
Tudo sucumbe a sua forma e vira apenas:
memória.







Adriane Lima






Arte by Olga Noes


Olhos de arder


Hoje está tudo 
tão pontual
ou será o silêncio
que me faz companhia
e me deixa perceber
as minúcias do dia

O apito do trem
alavancando as horas
no grito
as badaladas do sino
mostrando que é dia
de missa

O ocaso se mostra 
tão lindo
trazendo cores que nem
sei descrever os nomes

A música que fez "replay"
pelo menos três vezes
pela preguiça de meu levantar

Os pássaros que lá fora
se aquietam nos ninhos
e meu cão que espera 
para ser recolhido

Hoje tudo está tão pontual
e nada mais solitário
que minha própria sombra



Adriane Lima





Arte by Cynthia Lund Torroli


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...