terça-feira, 31 de julho de 2012

Enfeites

 
 
 
Nem é preciso máscaras venezianas
ou véus de odaliscas
só pelo andar da carruagem
eu já sei o que vem dentro ...

Adri Lima
 
 
 
( Imagem by   i Copó )

Poema para alienígenas



Não me interrompas
pronunciarei
dois hiatos soltos
de reinos distantes

duas vogais aéreas
em bocas bem abertas

chovendo entre palavras

oásis na certa...

A... aaaaa
O...oooo
unir-se o infinito

Há...de existir
a quem vai chegar
construirei palácios

A...
m...
O...
r....

A.m.O.r... que planeta estavas,que eu não te encontrava ??

 



Adriane Lima





Arte by  Jeanette Guichard Bunnel

Menina de flores



De esperas construia histórias
enchendo as mãos de estrelas
e conchas encantadas
no tempo desejos revelados

Nas horas mudas,falava com as mãos
e os ouvidos se abriam em flores
tinha doçura nos versos de amores
e para suas bonecas recitava-os

Nunca usou tranças nos cabelos
pois, neles nada parava
mas na cabeça,
um emaranhado de sonhos
por ela foram trançados

Vivia em um país encantado
bailava entre roupas gigantes
entre saltos altos se equilibrava
sonhando com o príncipe distante

Escrevia romances inacabados
por fortes lembranças, embrulhados
no papel desenhava estrelas
e um céu enluarado

Menina que sempre enlaçava sonhos
perfumes de infância viviam no ar
e entre eclipses coloria os dias
cruzava pontes entre céu e mar

Aprendeu a costurar o invisível
e só então entendeu
que de mulher sobrara bem pouco

De suas mágicas mãos
nasceram poesias
e nas poucas certezas
do infinito, várias vezes
abafou seu grito

Hoje,o silêncio
lhe acaricia a alma
tem medos que nem
sabe explicar

A arte faz parte
de seu novo mundo
onde faz voos
sem sair do lugar

Borboletas ainda voam
como em seu céu de antigamente
onde as crisálidas
abrem-se,diariamente
rasgando realidades e segredos

Poética e sonhadora
sempre foi menina errante
que avistava moinhos
em cataventos
poemas em origamis
que dobrava entre seus ais

O que a poesia lhe trouxe
isso ninguém vai lhe tirar
Fez dela criança ( e) ternamente
amante

ao se descobrir gigante
revisitando recomeços

 
 
Adriane Lima
 
 
  Arte by Kris Lewis 

Pré-amar

 
Já lhe disse homem
temos um amor incendiário
vidro em reflexo de aquário
um dentro, outro fora do lugar
somos peixes desejando amar

Deserto inundando falésias
fogo em alto mar








Adriane Lima





Arte by Chrisztof  Izdebinsk

Mentes em Metamorfoses



O tempo em mim
metamorfoseou borboletas
o peso da vida
o pouso nas letras

famintas verdades

que alimentei
me tiraram de casulos
onde me habituei

metáforas voadoras
foram-me
às vezes condutoras
dos voos ímpares

onde eu mulher

repousava em
mim mesma

cargas pesavam

e asas não
me levantavam
ao céu dos desejos

era uma borboleta

querendo corpo e coração

Não há porque
romper casulos
enfeitar crisálidas
se não se pode voar

Céu, além da imaginação...


 
Adriane Lima
 
( Imagem  by  Carol Carter )

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Proteção





Se me ama mesmo
seja o meu escudo
o meu apoio cego
o meu mais alto muro
não atire à esmo
inundada de amor
te ensejo

 




Adriane Lima






Arte by  Carol Carter 

Infinito

 
 
Não há padres para me confessar
nem santos para me proteger
basta você enxergar
o que meus olhos
aprenderam a dizer...
 
 
Adri Lima 

( Imagem: Ramiro Ramirez Cardona )
 

Em trânsito ...

 
 
Corpo é margem
via de mão única ?
Sabotagem
é não saber voltar atrás ...
 
 
Adriane Lima 
 
(imagem retirada da net )

Variações






Dos tombos que a vida me dá
já nem sei o que virá
nem sei para onde corro
respiro com calma
pois sei que em minh'alma
renasço e não morro





Adriane Lima






Arte by Natália Bryliova

Vento de amores

Tua ventania de outono
espalhou minhas folhas
até o ocre ficou vermelho
vida em amores
vendaval de cores


Adriane Lima 






Arte by Claude Theberge

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Filosofia ,força e fé...

 



O que pensamos possuir se nada é nosso...?
Nada,nem mesmo a beleza das flores que nos encantam
nem os suores de um trabalho árduo
nem a imagem de nossas fases da vida
Nem os amores,nem a familia,nem os amigos ou as feridas.
Tudo se esvai,tudo flui com o tempo.
Não, nada nos pertence ...
Nem mesmo as alegrias ,nem as tristezas,
nem o que admiramos, nem o que aprisionamos,
nada,absolutamente nada, é nosso.
Só as lembranças...
Portanto,precisamos viver o dia a dia
e darmos graças ao abrirmos os olhos no amanhecer
e descança-los ao anoitecer.É nas paisagens da alma que devem estar nossos olhos,assim como nas coisa que não compreendemos.É preciso aceita-las.
Isso não é resignação e sim,crescimento.
Há para tudo um fio condutor, não estamos sós neste mundo.
E sim, interligados por uma grande teia, chamada vida.
Nossos impulsos de vida nos ligam a tudo o que somos e desejamos,de bom ou de mal.
Pode ser que você nunca tenha se interesado em nenhuma escritura sagrada.Eu particularmente não as leio muito,mas,vejo que uma simples frase que li hoje, já existia em mim há tempos :
"Onde estiver o teu coração, lá estará a tua verdade.
A tua verdade fará teu Ser vibrar...
E, onde tudo vibra, é lá que os sonhos acontecem...”

Ninguém precisa ir tão fundo, basta seguir a filosofia de olhar ao redor, ver o que cada um acumulou, se interessou,se espelhou e ver onde buscou seu modo de seguir a vida.
Através disso, pude sentir o que estava nas escrituras:

"Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam.
Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração."Mateus 6:19-21

Siga teu coração e viva em plenitude,o resto é consequência....!!!!

 
 
Adriane Lima
 

( imagem : Michael Malm )

Laços

 
 
Enfeito com um laço
o corpo exposto
para que a sós
desfaçamos nós
Só os laços humanos
nunca se desfazem
Vem...

Adriane Lima
 
( imagem retirada da net )

Sabor do tempo

Cuide sempre do que guardo
em minha íntima despensa
me consuma com gosto
pois o que tens de mim
jamais será perecível

 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
 
 
 
 
( imagem retirada da net )

terça-feira, 17 de julho de 2012

Solturas







 Entre um destino
de asas ou âncoras
escolhi o desatino
já sabes qual foi ???

 





Adriane Lima 





Imagem by  Mandy Nikon 

Versão III

In vino véritas
volúpia em veludo
enquanto bebo
me solto em teu mundo...






Adriane Lima






Arte by   Anka Zuravleva

Notas soltas...



Do silêncio guardado
tu sabias e pronto
no amor revelado
vozes em contraponto ...



Adri Lima






( imagem :Anka Zuravleva )

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Interno





Mulher madura
não precisa de serpente
basta seguir o que sente
a fruta proibida
está dentro
bem dentro





Adriane Lima 







Arte by  Pascoal Chiove

Aos céus ...





Sonambulamente pensei
me atirar nesse jogo
por sorte acordei
poeta sonha
mas não voa ...

 
Adriane Lima 




( Imagem : Claude Theberge )

 

Ânima em nuvens



Não saberia dizer
porque a vida insiste
mostrar a cor em furtas verdades

sou camaleão, mudando
de rumo e rima
sem pluma ou pranto
vou morro acima ...

há algo que procuro
onde sempre há um muro
visão onde vou
me equilibrando
um desafio ao instinto
de amor sobre humano
frágil
extremamente frágil
são os meus planos
algo em mim sucumbe
onde a ânima não regada
se torna um eterno estio


jogo pétalas de amor infantil
frágeis :
-bem me quer
-mal me quer


brinco com vaidades
escuto veleidades

de ferimentos corre a vida
mas, não me sinto morta
me finjo de borboleta
ao abrir a porta
eis uma imagem gentil
frágeis, voos entre cores
o perigo não tem rosto

no tempo me desfolho
feito um calendário
que está passando

no silêncio a palavra : vida
se torna suicida
pedra bruta, já esquecida


sopram-me jardins imaginários
onde construo estátuas " in memoriam"
do que continuarei buscando




Adriane Lima
Arte by  Jeannete Guichard Bunnel 

sábado, 7 de julho de 2012

Mundo de aparências






Muitos olhos enxergam
o que querem ver

 
flores coesas em cima
da mesa
peixes alados
no fundo do lago
borboletas de mil cores
em reflexo de amores
 
é assim a doce visão
 
Aparências ...
cada qual defende para sí
a pureza de sua essência
 
 
E a ambição, essa felina
parente próxima do leão
 
 
Cordeiros, meros herdeiros
de uma nefasta sobra
requintada e saboreada
pelas bordas e avessos

 
Mas, a mim                       
bastaria um pássaro
uma casa, uma asa
 
 
um céu aberto         
para lá do pensamento
na febre de um sol
sem tormento
 
 
Nada além do que vejo
e me desfaço do mundo
e não serão poemas
que me falarão de milagres ...

 

 
Adriane Lima 

 
 
( Imagem :  Marcia Baldwin )

 

 

Tarde e silêncio



E no silêncio de minha boca
há algo escrito
essa ânsia louca
de consumar pecados
em hora ( im ) própria ...




Adriane Lima 





( imagem :Alex Alemany )

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Partes




A poesia me colore
me socorre
me põe música
é partitu(r)a
em parte minha

 



Adriane Lima 




  


Arte by  Felix Mas 

Submersa

 
 
Existe no ar uma dor
um sal, uma sede
sou estrela do mar
presa em fundo de rede

 
Adriane Lima
 
 
 
( imagem :Iain Crawford )

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Poesia sonâm(bula)



Era uma vez a dona do céu
em uma cidade feita de pés

Era uma vez a dona da rua
em uma cidade feita de asas

Era uma vez a dona da festa
viagens,amores e descobrimento

Era uma vez a dona dos sonhos
amigos,alegrias e mocidade

Era uma vez a dona da casa
filhos,retratos e poeira

Era uma vez a dona de tudo
tempos perdidos
horas de esperas
silêncios mudos

Era uma vez a dona escondida
no meio de peças avulsas
difíceis de achar

Era uma vez a dona da vida
feita de quebra-cabeças
impossíveis de montar

O que nunca houve
onde estará?

 



Adriane Lima







( Imagem : retirada da net )

Enlaço balanço





Mão pêndulo
enlaça a vida
por proteção ao corpo

Mão pendulo
estica o coração
por proteção aos homens

Mão pêndulo
abriga as asas
por proteção aos pássaros

Mão pêndulo
de um lado a outro

embala as horas
segura os medos
solta os laços
aperta os nós

Mão pêndulo
tapa ouvidos
serra a boca
fecha os olhos
alisa os poros
toca corpos

estende-se quando entende
o que ir em busca

Mão é a vida
resquícios e bagagem

Mão é pêndulo
da memória
levamos
de um lado a outro
balancetes da história

Mão é luz
acesa na escuridão

 


Adriane Lima


( imagem: Misha Gordin ) 

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Abso(luto) azul





Sentimentos difíceis
ultrapassam limites
do humano seguro
na impotência da vida

perdas irreparáveis
estraçalhando serenidades
olhares mórbidos, flores fétidas
nenhum vento, só lamento

Quietude em abraços
perdidas expressões
num arrastar lento
lágrimas cansadas
de um inconformismo
já sobre-humano

há de vivenciar mudanças
casa vazia,lembranças
noites frias de ausências

Há vidas em mortes
e mortes em vidas
não é fácil sabê-las...
não é fácil vivê-las

Hoje o dia esteve
v
e
r
t
i
g
i
n
o
s
a
m
e
n
t
e
azul...
num cenário destoante
com a tristeza

pai, filho e espírito santo
hão de aceitar tua vontade

 




Adriane Lima






Arte by Mihai  Criste

Instantes sólidos


 
Noite escura
tecem texturas
minha pele nua
não suporta a insônia
quer fazer poemas
mas não há um grão
em minha imaginação
escuto o silêncio
um avião corta o ar
impossível olhar
a alma e se acostumar
superficialidades
a palavra escondida
quer vida,quer afeto
dentro de mim
nomes, fomes
que tentam viagens
vícios e ousadias
me escapam pelo ralo
do olhar ambíguo
enigmas
dessa crença
que fazer poemas
com rima é ofensa 
que a metalinguagem
é sólida
e essa companhia
é o novo sal(do) poeta
sopros em esgrimas
onde balançam as palavras
em finas pontas de espadas
dentro de um sonho
cheio de pluralidades



Adriane Lima 






 Arte by Silvia Pelissero

terça-feira, 3 de julho de 2012

Essências





Pássaros feridos
sangram gotas
do infinito
Só o perfume
da poesia salva








Adriane Lima





Arte by Sergey Ignatenko

Veleidades





Tenho já uns anos "morridos"
então me pergunto:
quantos na verdade
eu terei vivido ?


 



Adriane Lima 








                                               ( imagem retirada da net ) 

Labirintos



acorde corpo
não se acomode

lá vem pedra solta
descendo colina

artefatos de vida
não se acalme
entre imprevistos

eis minh'alma
a cair no papel
feliz em pegar letras
e dedilhar o tema

vamos...

refaça caminhos
não se amotine

se de(s) maio
estou viva
de junho
me salvo
degluto
os silêncios de julho

e mais um dia...

Adriane Lima




( Imagem : Iain Crawford )

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Depressa (a) ação




Depressa chão
não tenho medo
de
pressão
não renderam-me
interna casa
amarras e laço 
depressa chão
abra aos meus pés
de
pressão
não calaram-me
quebrada asa
colada ao solo
pintei-me
fiz voo
busquei colo
ausência e
cegueira bruta
não moldaram-me
depressa chão
ouça meus planos
desencoraje-me
de pressão interna
são feitos os enganos
de quem sonhou
de quem chorou
de quem viveu

não entrego-me
abrigo-me
em ti
sem pressa
sem pressão
e depressa

 
 
Adriane Lima
 
 
Arte by   Iain Crawford

Pele em Poema




Hoje não quero escrever
no papel meu sentimento
hoje o momento
é poesia real

poesia desprovida de versos
virada do avesso
sem mea culpa

quero escrever um poema na pele
sabor de língua e sal
deixar que ela se revele
meu corpo feito um poema

você saberá entender
o que tenho a dizer
vai ler com os lábios
com os olhos e com a
ponta dos dedos

vai sentir os segredos
das palavras amorosas
que guardei para você

e quando roçares teus dedos
em minhas costas
saberás as respostas
de meu coração

e nessa hora
então:

poesia
soneto
ou canção

tudo perderá os sentidos
e eu serei para você
e você será para mim
palavra por palavra

a leitura de tudo
que já fiz do
começo até o fim

 
 
Adriane Lima
 
Arte by Alex Kristov 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...