quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

As palavras são pedras




Ouvir a voz da razão
nem sempre é bom sinal

quando fico em silêncio
e ela grita lá de cima

tenho a nítida sensação
que aqui em baixo
no coração

criei a Muralha da China

 





Adriane Lima




Arte by Jean François Ségura

Lição matinal






Ouço todas as manhãs
um singelo poema
declamado por um pássaro
perto de minha janela

Sei que é um poema de amor
insistente e sofrido
como deve ser
um poema assim
sempre incompreendido

Só sei que todas as manhãs
o poema muda de sentido
bem-te-vi, bem-te-vi, bem-te-vi

 





Adriane Lima







Arte by Odysseas Okoneamou 

Poema Plural





Sim, eu sei que a palavra Saudade 
não aceita plural
Mas teimo em por este "esse" no final
para explicar a curva em distâncias que nos separam...






Adriane Lima





 Arte by Oleg Oprisco 

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Salinidade essencial





Ouça o que lhe digo
mágoa é água que
corre suja e sombria

na curva do rio
entre margens
silencia e deixe-se levar

não fique a deriva
esperando um
barco seguro
para te salvar

limpe-se
rio a fora
rio a dentro

o verbo e o pensamento
ganhará o momento
de virar mar

 




Adriane Lima





Arte by  Toralph Knobloch

Correnteza





Era preciso sossêgo
para olharmos a mesma lua
com olhos habituais
encharcados de ternuras

era preciso alegrias
para brindarmos a mesma taça
com mãos vazias
despidas de aventuras

foram necessários pares
olhos e mãos
por todos os lugares

para doarmos
nosso encantamento
um gole de infinito
e um verbo cheio de atitude

 






Adriane Lima









Arte by Geraldine Odette 

Pétalas ao vento



 
Era preciso apagar
seu rosto
a vida dos sentimentos
precisava morrer

na sequencia de agoras
afogar seu gosto
fomentar novas palavras
e esquecer

um futuro pessoal
que me persegue
chegara ávido
em cada canto
da casa

era preciso apagar
o esboço
do verso em rascunho
na poesia inacabada
que inventamos escrever

era preciso
transforma-la em pétalas
cindidas da flor
no leito das águas
do nosso querer





Adriane Lima  
Arte by Oleg  Oprisco

Dança das marés

 
 
 
 
Voei feliz em sua direção
instinto de olhos
na metáfora do dia
havia de haver coração
 
me guiei sem medos
porque cingia sol
em seu sorriso
finito astrolábio
 
ilha de nós
disfarçados em mar
esquecemos estrelas
pudemos ser e estar
 
circundamos ondas
além dos peixes
mergulhados no silêncio
plenos de desejos
a navegar 
 
 
 
 
 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
 
 
 
 
 
Arte by 

Entre a asa e a imensidão

 
 
 
Me inebria passarinho
me acolhe, mesmo que seja
no canto de fora de tuas asas
eis que a minha de dentro
anda frágil, vazia de sonhos
 
me ampara, refaça nascentes
que o tempo secou
nesse canto de ave
que traz a haste da flor
molhada de orvalho
 
sedenta me abrigo
sob tuas asas
minha alma se aquieta
para ouvir teu canto
e buscar aconchego
em asas abertas
prontas para o amor
 
 
 
 
 
 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
 
 
 
 
Arte by  Meghan Holand
 
 

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Pretérito poema




Se pudesse dizer
ao levantar, ao deitar
ao longo do dia
tudo o que vive hoje
na vastidão de meu peito

No pulsar de minhas artérias
no restante das horas vazias
onde sua imagem goteja
sobre meus pensamentos

A ante sala do desejo
hoje desbotada
reflete o abandono
e descrédito vivido

Não temo perder
o sopro das palavras
perdi o encantamento
das mãos em cores

do carinho contido
no primeiro abraço
da umidade implícita
no primeiro beijo
do repouso sulcado
no infinito olhar

Sábio, aquele que diz
que o tempo é colagem
para todos ornamentos
no silêncio de meus anseios
nada mais refaz nosso absurdo

 






Adriane Lima






Arte by Loui Jover

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Vestida de sonhos






Entre o bem que me desejavas
e o mal que me fazias
acabei me precavendo
dos assombros secundários
vida de larva e pupa
quando esquecidas
tornam-se lindas borboletas
 








Adriane Lima












Arte by  Christofen Wilson

O que se perde entre molduras

 
 
A rotina está entre
a janela que contempla o rosto
que calado
pensa todas as frases
sem emiti-las
 
enquanto
a vida está entre
a paisagem que contém o corpo
que  afastado
sente todas as palavras
por conhecer a voz
 
abrir a janela
viver a paisagem dentro do tempo
ornamentado por aquilo que a memória amou
e que hoje explode entre uma
ou outra palavra cordial
calando-se entre pulsões e olhos líricos
 
quando se conhece a estampa
que enfeita a paisagem, as cores vivas
transformam-se em coisas gastas
e engole-se a alegria e o desejo de ver 
 
 
 
 
 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
 
 
 
 
 
Arte by Darhyl Zang 
 

Romantizando átrios

 
Hoje gostaria de ter
ao meu lado suas mãos
dentro delas
colocar meu coração
 
o teimoso órgão
que ainda insiste pulsar
e dar para você cuidar
 
 
 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
 
Arte by Sherry Lee Short 

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Avidez do mundo






Ela costumava me chamar de passarinho
Mas,nunca parara para pensar
sobre o porquê de tal nome.
Até que me descobri uma Andorinha.
Sempre livre em meus voos
buscando meus iguais para fazer verão.
Em bando era mais feliz
rodopiava em balés a céu aberto.
Nas pistas escorregadias da vida
dobrava minhas asas e pausava
antes de novamente acreditar em novos voos.
Pairava sempre em lugares diferentes
pouco almejava além de voar.
Construí ninho, fiz ovos chocarem
e eclodirem duas belas aves
de puro amor maternal.
Dei colo, dei asas e permiti que cada um
fosse dono de seus próprios voos.
Como passarinho tive tudo e
dei tudo em delicadezas e fragilidades.
Abrigo e imensidão era o que eu mais
guardava sob minhas asas.
Poucos homens entendem de pássaros
nasceram egoístas e com sede de chão.
Aprenderam que pássaros merecem gaiolas
pois a liberdade os ofende.
Não nasceram com o coração desarmado
nem instintivamente pássaros.
Não sabem e não querem mudar a direção
necessitam bússolas como proteção.
Ela me entendeu Andorinha,
de fome ampliada, com euforia de ar,
perfumada em penas da mais híbrida
flor de poemas, onde juntas seguimos a mergulhar
num imenso silêncio de afetos
me mostrando que sou pássaro e eu a confirmar











Adriane Lima







Arte by Pat Erickson



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Onde o amor deixa rastros




Dentro de ti
sou ave
abro minhas asas
para que me faça alçar voos
em plena tarde de céu chuvoso
 
dentro de ti
sou fera
abro minha boca
para que me faça ganir feito loba
em plena noite de céu sem lua
 
dentro de ti
sou estrangeira
sou tudo que desejo
sou tudo que desejas
 
dentro de ti
minha pele nunca está nua
reveste-se de aromas
pelos ares enaltecidos
 
dentro de ti
sou indolente e dócil
lânguida em entregas
dissolvente em gozos
 
dentro de ti
sou dona do tempo
que dentro de ti perdi
 
amor não me perca
dentro de ti
não tenho medo
 




Adriane Lima










Arte by Loui Jover



Uma espera, um sentido




Envolta em eterno desassossego
um lapso de pensamento
torna-me questionadora
um olhar se prende ao céu
respingado de brancas nuvens
uma flor amarela abriu
em baixo de minha janela
um bem-te-vi grita intermitente
e isso muda meu estado de espírito
fico procurando um milagre lá fora
que justifique a vida
hoje é um daqueles dias
que alguém chora
por um amor não recíproco
outro alguém casa
levando nas mãos flores da estação
outro alguém poda a grama
que cresceu após a última chuva
transpirando num sol escaldante
há sempre alguma beleza nisso
são ecos de um dia varrido
para baixo do tapete da lida
o conformismo do ente querido
que partiu para o desconhecido
é pele que pede carinho
vestindo a dor avistada
é anseio de voz que não chega
embebido no ontem que perdura
tento adivinhar o futuro
roçando em cada dedo em gatilho
a arma de amor é espúrio
vive emprestando passos previsíveis
tudo é possível na selva humana
gosto de ser gato em terra de leopardos

 




Adriane Lima





Arte by Christian Schloe

A linha tênue sobre os trópicos





Sinto lhe dizer
eu não nasci para ser
lembrança de homem nenhum
Aqueles que um dia me tocaram
se apoderaram de meu destino
assim como eu me apoderei do deles.
Vivificamos amores, o que faz com que
possamos nos sentir marcados.
Ainda que alguns pelas dores.
Lembranças para mim são aquelas
recordações do tipo :
ímãs de geladeira, fitas do Bonfim.
Aquilo que guardamos de um lugar visitado.
Não me pense lembrança, melhor seria,
dar a isso o nome de desejo
Querer ter o que lembrar, é desejar
lembrar um corpo é também saber
que terá que esquecer
Corpo, matéria que se desmancha
com o que chamamos tempo.
Eu desejo lembrar dos amores
os demais serão apenas desejos
do que por (a)ventura eu quis um dia
mas não apenas por lembrança

 








Adriane Lima









Arte by Calli Rezo  

A leveza da lava





Tira o véu da carcaça
Verás o pouco que sobrou
Depois do terremoto
Que varreu tudo em mim


Um tsunami devastador
Fez reviravolta em tudo
Derrubando meus preceitos
Aniquilando raízes


Se apoderou do meu destino
Invadiu ofegante
Onde passou tudo levou
Arrasando e destruindo


Hábil fera, nem tempo tive
Para trancar o espaço
Veio devastando
Varrendo, rasgando
Queimando sem fogo


E eu
Tão vulnerável e sonhador
Nem tive tempo para entender
Que isso era amor





Adriane Lima e Elian Vieira Silva (Nane )





Arte by  Patrícia Ariel

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Lamento de sereia




Ele me chamou para ver o mar
dançar com ele uma valsa na areia
ser a sereia que o tempo não desfaz

Aquela que mora no fim dos versos
dos poetas que escrevem sob a lua
e trazem o murmúrio das ondas
nos cabelos revoltos ao vento

Sendo eu, sereia, respondi :
- eu te salvo de mim
não guardes dentro de ti meu nome

Meus pés cravados em pedras
não saberiam te acompanhar
meus olhos insones secaram
os mares que me cercavam

Meus ouvidos fecharam-se
a todos os versos de amor
que por mim declamaram

Eu te salvo de mim
e de toda minha metade mulher
a outra metade peço-te agora
mate-a !!!
Como todas as outras vezes
que me mataste por inteiro

Depois, degusta-me feito o peixe
que vem na rede do pescador
que sai sem temer o mar e
reza acreditando nos orixás

Cada pedaço meu, pulsará em
tuas entranhas e entenderás o
meu canto : eu te salvo de mim






Adriane Lima 








Arte by Victor Nizovtsev




quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

UniVersos paralelos






Vai
transborda-me
diga meu nome
de trás para frente
inverta:
quem tem boca vai a AMOR






                                       Adriane Lima











Arte retirada do Google 

Poema confessional para um blues inacabado





Eu o amei avassaladoramente
com todo o meu corpo, pele e alma
Por todas as expressões que através
de palavras jamais saberei explicar


Por todas as razões...
por nada e por tudo o que fomos
enquanto estivemos juntos

Chego a pensar que fomos insanos
por termos desnudado o amor, desde
o primeiro instante em que nos vimos
Por tudo o que procurávamos
e encontramos um no outro

Porque foi poeticamente eterno
enquanto durou...e por que acabou??
Se era você o amor com que sempre sonhei
em meus devaneios de menina

E você me ofereceu o melhor
e assim partilhamos sentimentos e pensamentos
Porque tudo em mim era para você a magia da vida

Desde o meu jeito de espirrar
(sete em sequência) e quase sempre
você gargalhava me acompanhando
e quando eu parava, me dizia :
-você é única ...
e eu acreditava suspirando

Com você aprendi a gostar de blues
a ouvir Schubert no último volume
Vivemos um romance de cinema
viagens, shows, inesquecíveis cenas
jantares em lugares exóticos
rotinas, casas e cotidiano

Tivemos a vida na palma da mão
tantas vontades e planos
tantas malas repletas de expectativas

Um dia terminamos , nem sei se por ciúmes
birra ou por capricho.
Só me lembro que foram semanas seguidas
das piores dores da minha vida

Chegou uma hora em que já não tinha
nem mais lágrimas para chorar
Apenas uma sensação maldita.
Uma falta tão significativa quanto
de uma perna ou um braço
Foi assim, uma dor de amputação
aquela parte de mim, já não mais existia

Foi então que pratiquei a difícil arte de esquecer.
Rosto, gestos , cheiro, voz, pele...

A memória traiçoeira, vivia apontando
o meu fracasso através das música dos bares
por onde eu ia; seu perfume surgia 

no ar da mesa ao lado
no meu espirro que virava ausência
e na gargalhada que se tornara escassa

Foi preciso me reinventar por fora para mantê-lo
para sempre dentro de mim

Confesso que até hoje, coloco um blues e danço
pensando em você, com o mesmo amor,
mas com um punhal cravado que ninguém vê

 








Adriane Lima







Arte by Sherry Lee Short

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Paisagem lírica






Não sei o que vi em seus olhos
acho que foi o meu desamparo
você fica absurdamente lindo
com os olhos cheios de mim
seus olhos, nunca apagam

 








Adriane Lima








Arte by Mand Tsung 

Translúcida cor





Antes de sua boca
toquei suas palavras
e um desejo por sua voz
já doavam seus beijos
 

antes de suas mãos
imaginava seus gestos
e um entender de pele
já desenhavam seus abraços
 

antes de seus olhos
toquei todas as suas cores
já adivinhava o brilho
de um entardecer que morava neles
 

no fim, não era eu
quem te tocava
era minha alma
essa lírica e errante presa
acostumada a se apaixonar








Adriane Lima










Arte by Jaroslaw Puczel 

Vide o Verso





Vivíamos dizendo
sobre pontos finais
entre histórias
retornávamos.

Pela gramática
creio que viramos
inacabadas reticências ...

Embora em nossas vidas
sejamos reticentes
cada um bem sabe
o que o outro sente










Adriane Lima










Arte by Jaroslaw Puczel

Possível amanhã



 

Hoje muito me escuto
a árvore do meu silêncio
só deu bons frutos

 





Adriane Lima











Arte by Sherry Lee Short

Espécie rara



Sombras entre
imagem e semelhança
paguei para ver
nosso amor sem fiança

 



Adriane Lima






Arte by Serena Potter 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...