domingo, 1 de fevereiro de 2015

Uivo sagrado




Houve dias
de solidão e lamento
o peito doía
sem você dentro

houve dias
de silêncio e agonia
o peito sabia
viver a hemorragia

houve dias
de reaprender a viver
saber-se outro

tocando a vida com a boca
saboreando cada pranto
como se fossem palavras
para aliciar sonhadores

 



Adriane Lima






Arte by  Alejandra Pulido

Sob asas marcadas




Talvez sejamos
um engodo mitológico
ou uma epopeia grega
que respira calada
por séculos

talvez sejamos
a ausência de pontes
nessa escuridão necessária
de noites sem lua

talvez sejamos
a música que ecoa
na tarde cansada
presa ao fio
do tempo que perdura

talvez sejamos
todos os invernos
que juntos passamos
carregando os verões
em um candelabro solar
preso em algum solstício

talvez sejamos
a carta marcada
na mão do ilusionista
como memórias táteis
oriundas de artifícios

talvez sejamos
apenas o retrato
do quadro abstrato
com um pretexto imaginário
de nossa alma de artista












Adriane Lima










Arte by  Sergio Cerchi

Ondas e elos





A ordem da vida escoa
e nada espera a ebulição
há um vapor
de natureza volátil
liberto em meu peito
ponto de fuga, noite adentro
a casa virou uma acrobata
descolou do chão
fogo que arde
entra águas e luzes
um arquipélago de dedos
roçam a pele
entre beijos atemporais
peixes coloridos
adormecidos em meu umbigo
sorveram as chuvas
sob o vestido
descortino a madrugada
em tentadores olhos corporais 








Adriane Lima







 
Arte by  Juan Manuel Cossio









Um destino e um amor



 
Minha alma invisível
foi se encontrar
com a tua
um elo perdido
entre o desconhecido
uma luz de sol novo
contemplou nosso aluar
e pude sentir o mundo
em uma sensível casca de ovo
desse frágil amor antigo 
 
 
 
 
 
 
Adriane Lima
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Arte by  Nishant Dange
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...