sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Quem viu essa moça



Ah, como essa moça
tinha urgências
premeditava os silêncios
alternando a existência
com sonhos

Tinha um oceano nos olhos
que iam e vinham
feito marés
uma boca que brilhava
feito estrelas
e um sorriso de céu distante

Pensamentos dissonantes
mãos leves para onde pousava a vida
acreditava no amor e em suas feridas
inventava lugares e novos mundos

Ah! Moça distraída
feita de tempestades
gostava de histórias antigas
reis, rainhas, castelos
criava-os sem ousadia

Caminhava às vezes
sem rumo pisando
com pés descalços
nas coisas do dia a dia

Tinha sempre uma alegria
no bolso, uma música
que tocava ao longe
e de sua janela via
horizontes emoldurados

Céus escarlates e dourados
em fins de tarde silenciados
flores marcavam suas costas
E uma corrente adornava o tornozelo

Ah, essa moça não
entendia porque a vida
a cercava de tanto zelo
cuidava dela com carinho
e lhe dava desejos em segredos




Adriane Lima


Argumentos tolos



Quis ver se eu não ia
cumprir a promessa
de bater a porta e não voltar

Desde o dia que me feriu
minha alma sonolenta
foi se tornando
mais atenta
em meu caminhar

E eu andei
subi aos céus do sofrimento
degrau por degrau
em meus lamentos
e me alcancei no final

Alma livre
hoje recomposta
você me vestiu
de palavras perigosas
hoje mentiras
tão bem expostas

E ao relento
da covardia
não dei a outra face
para bater

Já não me pesas
nem poderias
não vives mais
em minha mente

Fostes das mil luas
a mais bonita
me iluminou
me fez bendita

E depois apagou
a direção
sinais do tempo
despercebidos
de levar contigo
um amor que nem era teu

 
 
 
Adriane Lima

Festa Interior


 

Como pode um homem
viver de lembranças
como pode a covardia
ser sua herança

Como seguir assim,
como cuidar de mim...
 
Quando sei que ele
sofre e me atinge
com sua postura de esfinge

Eu me rasgo
me consumo em saudade
e em dores de verdade
que ele criou para nós

A que assiste a vida passar
de mãos atadas
porque cai nesta cilada
que o destino  apresentou

Muitas vezes penso
que por nós não farei nada
pois a covardia vai além
de meus desejos
e de minhas empreitadas

Acredito que nunca
é tarde demais
para ser o que você
deveria ter sido

Mas,há em mim
o êxtase da chegada
essa força  já tomada

ao entender que não se pode
viver a própria vida
através de um amor, sem ele merecer

 È uma feliz descoberta
ver que mesma errando o amor
a vida me presenteou
com um novo  amanhecer

È como se te preparassem
uma festa surpresa
E você tivesse todo direito
de não comparecer





Adriane Lima

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...