segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Os olhos do dia


  

 O amor
tantas vezes sentimento
embargado em ondas
das marés do pensamento


O amor
tantas vezes covardia
afogado em ondas
de gotículas de maresia

O amor
leva-nos a oxidação
mesmo o coração
não sendo de metal

O amor
devora o limite do
que éramos e do que
seríamos por instinto

Entendo os deuses
que suprimiam emoções
descartando
humanas sensações

Por saberem que no coração
reside o princípio
e o fim de tudo

E quem sou eu
para falar de amor ?









Adriane Lima







Arte by  Juan Manuel Cossio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...