sexta-feira, 14 de abril de 2017

Tempo de doer



No começo de mim
era rio, pastos alagadiços
terra de chão batido
muros baixos, caminhos livres

Novo tempo de mim
varandas altas, apartamentos
ruas desconhecidas
onde aprendi decorar nomes

Esse tempo de mim
de perdas, descaminhos
sonho de um lar, caos sem casa
pedaços esmagados em solidão,

feita de mortes por dentro
onde hoje, os rios são rostos
que passam e se modificam

sem paradas, seguem fluxos
entre os dias que no leito
eu mesma -teimo em não mais adormecer










Adriane Lima







Arte by F
orooghi Forooghi


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...